quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

arma(d)ilha

ali
com o céu de gafanhotos adentro dos mares
os pássaros
inefáveis em tudo
d o r m i t a m
amarrados à fiação de estrelas
a manhã não finda
nem começa
só arrebenta afora dos tártaros magros na ranhura dos destroços
a língua é presa
grudada no chão dos barcos
invisíveis
desenhados no asfalto
(os barcos
emparelhados no rio)
não se diz adeus ali
não se diz até logo
vai com Deus não se diz
não se diz amargo
nem doce
tudo é sal-
gado
seco
deserto num coração derruído
não se diz bom dia
porque todo dia é noite
não se diz boa noite
porque toda noite é ventre
todo alento é longe
longe, longe
toda voz é rouca
só se diz em murmú-
rio
no muro caído
das lamentações
não se diz espere
não se diz chegue
                tudo
                e sempre t-u-d-o
                é esgotamento
longe, longe
pressa, pressa
não se diz volte
não se diz venha
só se diz tarde
                acre
                ao cultivo farpado dos arames
                ao cultivo agourento das esporas
não se diz mãe
não se diz filho
só se diz ande
ande, ande
com afinco nas alamedas
com afinco nas passarelas
no bonde imaginário dos aflitos
                              
às seis horinhas
                                               os sinos
                                               g a l o p e i a m
os atiradores acordam
e
os canhões ardem nas passagens
o pélago enxuto
escorre
pelas ruas
com bengalas metálicas
os homens de bem estão salvos
os errados partem livres
nos carregamentos de rosas
às seis horinhas
                               os sinos
                               d o r m e m
                                               só um menino
                                                               ali
                                               um menino
                                               g a r a t u j a
                                                               a aorta das torres
                                                                              e diz
                                                                              num sussurro
defronte das catedrais
                                                                              adeus, adeus
                                               mas ali não se diz adeus ali não se diz


Rudinei Borges  | 18 de dezembro de 2014  | Rua Avanhandava Centro de São Paulo