segunda-feira, 13 de abril de 2015

Retrato de Judas triste






















sempre rezei sozinho
na escuridão
com os anjos
e uma multidão de poetas calvos
sempre rezei deitado
na cama da sala
no silêncio da noite esperava Judas
abrir a porta dos fundos
e sentar num tamborete velho
esperava Judas levantar a cabeça
e pedir
com um gesto calado
um pouco de água
um pouco de pão
e depois andar devagar
pela casa
com o corpo arrastado
e nunca mais partir 


Retrato de Judas triste | Poema do livro Memorial dos meninos | Rudinei Borges | 2014
Foto | Edouard Boubat